quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Uma lembrança que marcou ...


Vou narrar neste post um pequeno episódio do meu “filme de terror”. Esta é uma das mais marcantes lembranças que tenho da época em que comecei a experimentar o “peso” de ser vidente...


Eu era bem jovem é já tinha descoberto do que se tratavam as minhas visões, mas, lamentavelmente, ainda não tinha aprendido nenhum mecanismo de autocontrole e defesa, apesar de já estar freqüentando um centro espírita, mas estava tudo no inicio. Bom, o tempo e os fatos eram estes que acabo de descrever (era novo e não sabia muita coisa) e como todo médium sem estudo sofri muito com isso...


Nesta fase da vida eu tinha um esquema próprio na organização do quarto para poder dormir, procurava ferramentas que diminuíssem as visões. Por muitos anos dormi com uma tv ligada a noite toda, muitas vezes deixava um CD tocando na esperança de adormecer, o que mais me ajudava era uma luz de 100Watts acesa a noite toda e sempre um ar-condicionado no máximo, tentando compensar o incômodo de todos os apetrechos. *


Estava no meu quarto tentando dormir e já tinham se passado alguns minutos em que eu rolava na cama, estando ainda bem acordado, quando, de repente, um acontecimento me deixa em pânico: um homem muito forte entra no quarto, atravessando a parede! Estava suado e tinha uma expressão assustada, estava trajado apenas com uma calça feita de pano de saco, exatamente como os livros de história descrevem os escravos...


Na hora que visualizei a cena, meu coração disparou, o medo foi tanto que mal conseguia piscar os olhos, senti uma frieza tomar conta do corpo, que logo ficou paralisado (como num assalto, em que, para a vítima, os segundos demoram minutos e a mente processa tudo com uma velocidade impressionante).


Torci, vocês não sabem como torci, para ele não me perceber, pois ele apenas caminhava em linha reta. Lá estava ele quase saindo do quarto (nesse momento eu conseguia ouvir meu batimento cardíaco), faltava apenas um passo para o irmão atravessar a última parede do meu quarto, quando ele pára e se vira, fixando o olhar em mim, franziu então a testa e, com a cabeça um pouco inclinada, deu alguns passos em minha direção.


Neste momento comecei a sentir meu queixo tremer e os dentes baterem (é muito difícil descrever o tamanho do medo que sentia naquele momento), ele foi chegando bem perto e se abaixou, aproximando seu rosto do meu (ficamos cara a cara, com menos de um palmo de distância) e perguntou: “Você está conseguindo me ver?” Naquela hora tão crucial da minha vida, apesar de estar em pânico e completamente paralisado, só me restava uma alternativa: acordar o bairro! Foi o que fiz: com um único grito (Maaaiiinnnhhhaaa......) realizei esta proeza!...


Ainda no mesmo momento, num gesto de muita “bravura” (existem momentos que precisamos criar coragem), fechei os olhos e me levantei, passando por dentro do irmão, e corri para o quarto dos meus pais, que já vinham correndo e me agarraram no corredor. **


Hoje descrevo este episódio tendo crises de risos, mas na época passei dias sem dormir, assustado com os acontecimentos.


O que ficou de lição para mim: O médium sem estudo é apenas ferramenta de curiosidade alheia, o irmão que na verdade necessitava de auxílio não queria me fazer mal, apenas era um sofredor à procura de amparo.


Só podemos fazer caridade ativa se estivermos preparados para isso, caso não, sofreremos junto com os necessitados.


Que a Paz do Mestre Jesus esteja sempre conosco, iluminando-nos e guiando-nos, hoje e sempre! Assim seja!



* Hoje, com minha consciência ecológica, acho um absurdo o gasto de energia, mas o desespero que passava naquela época não era brincadeira...


** Minha mãe, logo depois do acontecido, foi à janela e logo uma vizinha muito gente boa perguntou se estava tudo bem, minha mãe esclareceu então que tinha sido um pesadelo...



3 comentários:

Adri - Dri - Drika disse...

Muito interessante sua historia..."nunca" tive visões mas sei que meu sexto sentido é diferente da maioria das pessoas... muita energia positiva pra vc ;)

Baby disse...

Oi Romero, quando eu era criança tive uma experiência, mais ou menos assim: eu tinha pavor do escuro mas mnha mãe não deixava dormir de luz acesa, ela apagava mesmo, para q eu superasse meus medos rsrsrs... assim, uma noite, em estado quase letargico( posso chamar assim?? aquele estado que vc nem está dormindo nem acordado), senti um peso nas mnhas costas, abri os olhos, para ver se estava sonhando ou acordada, alem do peso, senti a respiração,quem era roncava deitado sob minhas costas, fiquei apavorada pq o espirito era de homem e claro eu tinha uns 9 anos e ele era adulto, eu estava de bruços e me virei para ficar de lado, quando ouvi o baque do corpo caindo no chão, aí eu gritei minha mae, acendi a luz e não vi nada, claro q mainha disse q foi pesadelo rsrsrs para não me assustar, mas eu sabia q estava bem acordada. Beijos e fiqeu com Deus

Anônimo disse...

Nem posso me imaginar em seu lugar Romero! Agora é tudo graça, mas só de pensar me dá calafrios. Mesmos me instruindo na doutrina espírita, não tenho a menor experiência com os fenômenos mediúnicos... Ainda não consigo saber qual será minha reação ao me deparar com um irmão desencarnado, só espero que nesta hora eu esteja pronta para auxiliar. Um GRANDE abraço!!!! Carol Lucena (F)